sexta-feira, 25 de maio de 2018

“A Religião dos Portugueses”: Reabrir portas que frei Bento abriu

Foi hoje posto à venda o livro A Religião dos Portugueses – Testemunhos do Tempo Presente, da autoria de frei Bento Domingues, com organização de Maria Julieta Mendes Dias e de mim próprio (ed. Temas e Debates/Círculo de Leitores). Publicado inicialmente em 1987/88, A Religião dos Portugueses tornou-se uma referência, nestas três últimas décadas, nos estudos religiosos em Portugal, em diferentes âmbitos. Essa marca, aliada ao facto de o livro estar há muito esgotado, impunham a sua reedição. Foi o que aconteceu com o livro agora disponível que, além da edição original, acrescenta vários textos de frei Bento Domingues sobre o mesmo tema, incluindo um capítulo escrito propositadamente para esta edição. 
O livro será apresentado terça-feira próxima, dia 29, a partir das 18h30, pelo padre José Tolentino Mendonça. A sessão decorre na Igreja do Sagrado Coração de Jesus, em Lisboa (R. Camilo Castelo Branco, ao Marquês de Pombal). 
Fica a seguir o meu texto de apresentação:


“A questão da ‘religião dos portugueses’ precisa de ser reaberta”, escrevia frei Bento Domingues, em 1987. Foi o que acabou por conseguir fazer este seu texto, que viria a tornar-se marcante na reflexão contemporânea sobre a religiosidade portuguesa e as interpenetrações mútuas entre espiritualidade e cultura. 
Em rigor, acrescente-se, A Religião dos Portuguesesnão é apenas um texto sobre o fenómeno relativo a Portugal. O seu autor faz um percurso sobre a pesquisa recente (e, por vezes, também com pequenas incursões históricas) acerca da questão espiritual e religiosa, sobre as características e definições de religião e a relação desta(s) com a cultura.
Nesse percurso, frei Bento Domingues percorre as definições de religião e do que cada um dos diversos conceitos comporta dentro de si. E questiona mesmo análises superficialmente sociológicas que ora decreta(va)m a morte de Deus, ora levanta(va)m a bandeira do retorno do religioso. A sua leitura propõe chaves bem mais profundas e complexas, que procuram radicar-se na natureza humana e numa realidade que não se esgota em chavões prontos a usar. E que procura, sobretudo, entender que deus é que a realidade e as pessoas mataram e a que deus(es) elas regressam. Aliás, a própria própria sociologia actual – James A. Beckford, Grace Davie, Zygmunt Bauman, José Casanova, Danièle Hervieu-Léger, Sabina Acquaviva ou Enzo Pace, entre outros– tem privilegiado uma leitura complexa dessa mesma realidade, procurando fugir a leituras simplistas que pouco ajudam a pensar e compreender o que se passa. 
Frei Bento contesta as “frases bombásticas” e as “sentenças de morte ou ressurreição, tentações da publicidade”. Critica as ambiguidades quer da “ideologia da secularização dos anos 1960” quer da ideia do “retorno do religioso”, que seria promessa de um século XXI religioso. E conclui: “A situação actual é bem mais complexa do que a clara divisão entre Terceiro Mundo religioso e Europa Ocidental secularizada e a-religiosa. A indiferença religiosa nem sempre é tão indiferente como se diz e a religião não tem só o sentido que as Igrejas lhe costumam dar. (...) Nem sempre é fácil distinguir sintomas e causas, correntes de fundo e agitações de superfície, actualidade que desenha o futuro e ecos de um passado sem retorno. Com isto não se pretende propor a renúncia a entender o mundo em que vivemos. Mas renunciamos a fazer da religião o reflexo de um passado obscurantista e da secularização a luz beatificante da modernidade.”
O “fim da religião” de que tanto se falou é, para frei Bento, outra coisa: “[O] papel de estruturação do espaço social que o princípio de dependência desempenhou, no conjunto das sociedades conhecidas até à nossa, chegou ao seu termo. A religião não se explica historicamente, nos seus conteúdos e nas suas formas, senão pelo exercício de uma função exactamente definida. Ora, essa função não só já não existe, como se tornou no seu contrário, mediante uma transformação que, longe de lhe abolir os elementos, os integrou no funcionamento colectivo, sinal seguro da sua reabsorção. A sociedade moderna não é uma sociedade sem religião, é uma sociedade que se constituiu nas suas articulações principais pela metabolização da função religiosa.”

Sair e voltar ao cais, sempre em viagem

Neste caminho de reflexão, frei Bento dá um outro passo: a sua humildade intelectual leva-o a considerar que a reflexão que propõe nunca está terminada e que outros podem continuá-la; ao mesmo tempo, a empatia que mostra para com a fé das pessoas leva-o a considerar o perigo de “determinar, no concreto, o que é religião e o que é a magia, o que é idolatria e o que é mediação simbólica inerente à religião, o que é religião da fé cristã e o que é perversão do Evangelho”. Mesmo pugnando uma religiosidade e uma fé cristã mais purificadas, o nosso Autor não ignora as dificuldades desse processo e admite que até a mais autêntica experiência cristã “não consegue passar sem mediações, sem expressões simbólicas”. Há uma razão, explica: “O dom da revelação, ou a revelação como dom de Deus, é sempre feito a seres humanos, histórica, social e culturalmente marcados. E religiosamente marcados!”

quinta-feira, 24 de maio de 2018

Cristianismo Contemporâneo em congresso

Agenda

O I congresso internacional Cristianismo Contemporâneo – Cristianismo, Cultura e Diálogo num Mundo em Mudança realiza-se em Lisboa, entre sexta, 25, e domingo, 27 de Maio, reunindo investigadores, docentes, estudantes, religiosos, teólogos e outros cientistas do fenómeno religioso contemporâneo, oriundos de Portugal, França, Itália, Polónia, Brasil, Chile e Cabo Verde. 
Os organizadores apontam, entre os objectivos do congresso, a ideia de contribuir para uma cultura de paz e tolerância entre diferentes expressões de fé e promover o diálogo inter-religioso; dinamizar a reflexão da fé na sociedade contemporânea, nos âmbitos cultural, artístico, social, político e comunicacional; e reflectir sobre a dimensão ética da fé nos diversos contextos de vida. 
A iniciativa, que decorre na Igreja Evangélica Presbiteriana de Lisboa e na Universidade Lusófona de Ciências e Tecnologias, contará com intervenções, entre outros, de Guilherme d’Oliveira Martins, Luís Salgado de Matos, Mendo Castro Henriques, frei Bento Domingues e Stefan Bratosin. 
Mais informações sobre a iniciativa, incluindo o programa completo, podem ser consultadas aqui


segunda-feira, 21 de maio de 2018

Ser católica e de esquerda: aproximações e dúvidas existenciais



No Ponto SJ, Joana Rigato publicou hoje uma reflexão sobre Ser católica e de esquerda, onde escreve: 

Pior ainda é, a meu ver, a persistência de uma atitude clubística entre pessoas que aspiram, com idealismo e desinteressadamente, a um mundo perfeitamente justo. Não será que aquilo que os ateus não compreendem em nós – esta fé num Deus que não se vê, a esperança num Reino que temos de construir pessoa a pessoa, e o seguimento de princípios difíceis de implementar, que desafiam o pragmatismo capitalista atual em que impera a lei do mais forte – é o espelho daquilo que também os cristãos mais conservadores não compreendem na esquerda que desfila na Avenida da Liberdade? 
Aquilo que move tanta gente de esquerda é o anseio por um modelo social justo, em que o Bem Comum seja preocupação de todos. Pode parecer uma utopia, mas não é mais utópico do que o sonho do Reino de Deus que mobiliza tantos cristãos.
(o texto pode ser lido aqui na íntegra, de onde também se reproduz a foto)

domingo, 20 de maio de 2018

Casamento real: um sermão que mexeu com as pessoas



Os casamentos reais são vistos, frequentemente, como pouco mais do que acontecimentos das elites, eventos mediáticos, mundanos na sua natureza. O príncipe Harry e Meghan Markle entenderam que não tinha de ser assim e, entre outras inovações, convidaram um pastor negro dos Estados Unidos para vir fazer o ‘sermão’ na cerimónia religiosa. Um sinal de que o pregador tinha algo de especial para dizer é que alguns dos grandes media mundiais transcrevem nas suas páginas o discurso na íntegra.
O Rev. Michael Bruce Curry – foi ele o pregador – dirige a Igreja Episcopaliana dos Estados Unidos, é descendente de escravos e filho de um outro pastor que esteve bastante envolvido no movimento pelos direitos dos negros. E tem posições bem definidas, mesmo relativamente à actualidade: está anunciada a sua participação, na próxima semana, numa manifestação frente à Casa Branca, para denunciar o slogan de campanha de Trump, “America primeiro”, como uma heresia.
No sermão, Curry inspirou-se na leitura de uma parte do capítulo 8 do Cântico dos Cânticos:

Grava-me como selo em teu coração,
como selo no teu braço,
porque forte como a morte é o amor,
implacável como o abismo é a paixão;
os seus ardores são chamas de fogo,
são labaredas divinas.
Nem as águas caudalosas conseguirão

apagar o fogo do amor,
nem as torrentes o podem submergir.


O tema glosado foi o do poder redentor do amor. O amor que  tem poder para ajudar e curar, que tem poder para mudar o mundo. O amor que, ao realizar-se, exprime a presença do próprio Deus.
Inspirando-se em Teilhard de Chardin, quando considerou a invenção do fogo a maior ou uma das maiores invenções feitas pelas sociedades humanas, Curry convocou a proposta daquele paleontólogo e teólogo jesuíta: “Se a humanidade aproveitar a energia do fogo novamente, se a humanidade agarrar a energia do amor - será a segunda vez na história que descobriremos o fogo”. Foi, pois este apelo à reinvenção do fogo do amor que lançou na homilia; aquele fogo que ajudava os escravos da América a acreditar num mundo melhor, cantando, mesmo no meio das maiores adversidades. O maior de todos os gestos foi o de Jesus que, por amor, deu a vida pela humanidade, desencadeando um movimento revolucionário de transformação pelo amor.

Ver e ouvir o sermão aqui
Ler o texto na íntegra (em inglês) aqui.

[Editado para introduzir a citação relativa a Theilhard de Chardin]

sábado, 19 de maio de 2018

Uma bomba, uma “vergonha” – Papa Francisco, um homem de palavra


Eugen Schönebeck, Kreuzigung (Crucificação), 1964, 
Städel Museum, Frankfurt am Main, Alemanha (pormenor)

Bomba, decisão totalmente inédita, resolução sem precedentes na história da Igreja, viragem absoluta, revolução. Abundam os qualificativos para caracterizar o que se passou esta tarde de sexta-feira, com o anúncio de que todos os 34 bispos do Chile colocaram o seu lugar à disposição do Papaque já tinha dito sentir “vergonha” pelas “práticas reprováveis” que este caso foi revelando. 
O epílogo da reunião de todos os bispos do Chile com o Papa, em Roma, como que confirma o título do documentário sobre Francisco, que o realizador Wim Wenders apresentou nestes dias no Festival de Cinema de Cannes: Francisco, um Homem de Palavra
Depois de se ter sentido posto em causa, mesmo durante a sua viagem ao Chile, em Janeiro passado, Francisco quis averiguar o que se passava no país. O primeiro passo foi enviar os padres Charles Scicluna e Jordi Bertomeu falar com todos os envolvidos – vítimas, clérigos, bispos –, de modo a que lhe fosse apresentado um relatório – um documento de 2300 páginas; o seguinte foi encontrar-se com várias vítimas, às quais pediu perdão pelos seus erros de avaliação e prometeu decisões; o último foi convocar todos os bispos chilenos para uma reunião em Roma, que decorreu esta semana, na qual pretendia fazer um caminho de discernimento, de modo a avaliar profundamente o que aconteceu, daí retirando todas as consequências. 
Esta sexta-feira, dois bispos chilenos divulgaram um comunicado colectivo da Conferência Episcopal do Chile (CEC), na sequência da reunião com o Papa. Nele dão conta da sua decisão unânime de colocar o futuro de cada um nas mãos do Papa, afirmando querer pedir perdão “pela dor causada às vítimas, ao Papa, ao povo de Deus e ao país” pelos seus “graves erros e omissões” e anunciam ter colocado os seus cargos nas mãos do Papa, “para que ele livremente decida com respeito a cada um”. 
Caberá, agora, a Francisco decidir em relação a cada bispo se continua ou não a desempenhar as respectivas funções. É de prever que o Papa aceite rapidamente os pedidos de demissão de quatro bispos que já nesta quarta-feira tinham apresentado a sua resignação: Juan Barros, de Osorno, que está no centro de todo este caso, acusado de encobrir o padre Fernando Kadima, já antes condenado por abuso de menores; Horacio Valenzuela, de Talca; Tomislov Koljatic, de Linares; e Andrés Arteaga, auxiliar de Santiago, que não esteve em Roma por sofrer de Parkinson. 
Em entrevista ao La Vie, reagindo já à decisão dos bispos, o padre e psicoterapeuta francês Stéphane Joulain diz que compete ao Papa avaliar, caso por caso, mas que é possível que ele não aceite todos os pedidos de demissão. “Não me parece que todos os bispos chilenos sejam culpados de negligência. Esta demissão colectiva pode também querer dizer que eles não querem que um ou outro seja visado, em particular. Do ponto de vista da justiça, o Papa tem o dever de designar os responsáveis. É muito provável que ele analise caso por caso”, diz. 
O anúncio dos bispos (que pode ser lido aqui na íntegra, em castelhano) começa por manifestar ao Papa o agradecimento “pela sua escuta de pai e sua correcção fraterna”. Mas, sobretudo, os bispos dizem que pedem perdão “pela dor causada às vítimas, ao Papa, ao Povo de Deus e ao país pelos [seus] graves erros e omissões”.  Dois parágrafos depois, reiteram o agradecimento às vítimas, pela sua “perseverança e valentia, apesar das enormes dificuldades pessoais, espirituais, sociais e familiares que tiveram de enfrentar, tantas vezes no meio da incompreensão e dos ataques da própria comunidade eclesial”. E acrescentam: “Imploramos o seu perdão e a sua ajuda avançando no caminho da cura e da cicatrização das feridas”.

“Psicologia elitista” e “espiritualidades narcisistas”



Procissão dos penitentes em Lavacolhos (Fundão), Março de 2018

A onda de choque provocada por este anúncio não se ficou por aqui. O canal Tele 13, do Chile, divulgou na íntegra o conteúdo da carta que, no início da reunião, terça-feira passada, o Papa entregara a cada um dos bispos. Uma espécie de guião para a reflexão e as conversas destes três dias. Usando o método dos Exercícios Espirituais de Santo Inácio, o Papa confrontou os bispos com a realidade do que se passou, pediu um discernimento evangélico e uma acção consequente. 

quarta-feira, 16 de maio de 2018

“Alegrai-vos e exultai”: uma obsessão pela alegria e a reabilitação dos rebeldes e radicais


(Foto: Jordan Whitfield, reproduzida daqui

Uma obsessão ou fixação no tema da alegria. Ou a continuação da reabilitação dos rebeldes e radicais. A última exortação do Papa Francisco, Gaudete et Exsultate (Alegrai-vos e exultai), publicada no dia em que se completaram cinco anos sobre o início do seu pontificado, mereceu, nos últimos dias, duas leituras diferentes: António Pedro Monteiro, padre dehoniano e capelão hospitalar, diz que o documento confirma a fixação do Papa no tema da alegria, que não se dissocia da santidade: “Considerando acertado o cliché segundo o qual existe uma necessidade pessoal de afirmarmos aquilo que nos falta – e todos sabemos bem o que é ter um chefe, ou director, ou superior cuja arrogância da sua autoridade é proporcional à sua profunda insegurança –, poderíamos interpretar a fixação de Francisco como: ‘digam comigo: falta-nos alegria’. (...) Se a fixação de Francisco na alegria é mesmo porque ele sente a falta dela entre os habitantes do Reino de Deus de tradição romana, talvez nos falte integrar mais, integrar melhor, cuidar mais, cuidar melhor. Esse é o caminho dos santos: encontrar a alegria na integração e no cuidado. De facto, alegria e santidade ao modo de Jesus, não se dissociam. (o texto está disponível aqui na íntegra)

Já Robert Mickens escrevia, sexta-feira passada, no La Croix International (aqui, o original, em inglês, para assinantes; aqui, uma tradução portuguesa, com o texto na íntegra) que o Papa continua a procurar “levar a Igreja e seus membros de volta ao básico do Evangelho em relação àquilo que significa ser um seguidor de Cristo”. E acrescenta: “Deveria estar claro agora que aqueles que estão mais escandalizados e confusos com o Papa Francisco encontram-se nas fileiras do clero católico e entre os leigos com uma mentalidade clericalista.
Eles julgam o primeiro papa que veio do Novo Mundo e o único jesuíta a ser eleito bispo de Roma como não convencional e não institucional, para dizer o mínimo. E isso tem pouco a ver com o seu local de nascimento ou pertença à maior ordem religiosa masculina da Igreja. 
Francisco, assim como o santo de Assis cujo nome ele escolheu após a eleição ao papado, perturba seus críticos clericalistas porque ele é um discípulo radical de Jesus Cristo. De fato, ele talvez seja o papa mais radicalmente evangélico desde os primeiros séculos do cristianismo.”
Mickens destaca a seguir que uma das últimas figuras apontadas pelo Papa como referência foi a do padre italiano Zeno Saltini (1900-1981), que fundou uma comunidade intencional nos anos 1940 para cuidar de órfãos de guerra e das crianças abandonadas.
O padre Zeno criou uma comunidade, com o nome Nomadelfia (um neologismo para dizer lei da fraternidade), onde se procura viver tendo como horizonte as primeiras comunidades cristãs, sem propriedade privada, aqui descrita
Sobre essa comunidade, e a visita que o Papa lhe fez, na semana passada, Fernando Calado Rodrigues escreveu também, na sua última crónica no JN.

terça-feira, 15 de maio de 2018

Histórias e retratos bíblicos

Livro/Exposição


Afirmação sem novidade: a Bíblia é uma fonte inesgotável de inspiração para pintores, escultores, artesãos, arquitectos... A história da arte ocidental seria outra, caso não existisse o texto bíblico. Hoje, um dos âmbitos em que essa inspiração mais se tem concretizado é no da ilustração. Num texto aqui publicado há diasRébecca Dautremer, autora das ilustrações de Une Bible (ed. Hachette, ou Una Biblia na edição espanhola da Edelvives), diz que as histórias da Bíblia são “uma incrível fonte de imagens”. 
Cheio de histórias que traduzem muitas experiências humanas – de amor e ódio, de superação e transfiguração humana, de guerra e paz, de apelo à mais profunda humanidade –, o texto bíblico começa, em muitos casos, por ser “lido” através de pequenos episódios, ilustrados com múltiplas linguagens gráficas. Há múltiplos exemplos que vão desde as formas mais convencionais às que, apelando ao sentido do simbólico, acabam por assumir, também no desenho, aquilo que tantas vezes é o sentido do que está presente no texto. 
Histórias da Bíblia– Antigo Testamento, de J. Alberto de Oliveira (texto) e Evelina Oliveira (ilustração) (ed. Letras & Coisas) é mais um feliz exemplo da utilização da Bíblia numa bela síntese de texto e imagem. A obra centra-se em muitos personagens fulcrais na(s) história(s) bíblica(s) do Antigo Testamento: Eva e Adão, Noé, Sara, Abraão, Rebeca e Isaac, José, Moisés, Rute, Samuel, David, Elias, Job, Daniel e Susana, entre muitos outros e outras. Essa dimensão dá-nos, desde logo, um conjunto de retratos (em imagem e texto) que, além de se constituir como galeria de algumas das personagens fundamentais da história bíblica judaica, mostra que a Bíblia é, também, um texto de pessoas concretas. Bastaria folhear o livro e a sua sucessão de “retratos” ilustrados para ter essa percepção. 
Neste caso concreto, estamos perante uma ilustração que, apesar da importância que dá ao “retrato”, convoca profundamente a dimensão simbólica do texto bíblico. Ou seja, não se fica pelo carácter meramente ilustrativo do desenho, antes se assume como linguagem e texto complementares. Isso é evidente em muitas das ilustrações, desde as do primeiro capítulo (“Ao princípio”) às das páginas finais (por exemplo, com a história de Daniel e os leões, ou com Tobias a abrir as goelas do peixe para lhe retirar o fel que, sem o saber ainda, curaria o seu pai). 
Rébecca Dautremer perguntava, a propósito do seu trabalho: “Guardo um sentimento do sagrado. Pode-se desenhar a Jesus? Pode-se desenhar a Deus? Posso autorizar-me a ilustrar a Criação? A crucifixão? Perguntas intimidantes”, que exigem não “cair na paródia”, mas conservando a inteira “liberdade” da recriação. É essa liberdade que Evelina Oliveira tão bem consegue, através do seu traço e das cores utilizadas. 
Um dos impulsos importantes para fixar em texto as histórias bíblicas foi o exílio dos judeus na Babilónia e a necessidade de contar a história do que ali tinha levado. “No exílio, eles recordavam-se do Deus único, de uma promessa e das maravilhas de antes. De palavras no céu. De uma estrada no mar. E com estas velhas histórias eles vão escrever a sua esperança”, diz Serge Bloch (autor das ilustrações de Bible – Les Récits Fondateurs, também citada na ligação já referida antes. 
O autor do texto de Une Bible, Philippe Lechermeier, recordava a sua incapacidade de ter com os filhos a mesma criatividade que a avó tivera com ele, pois não encontrava, nas histórias bíblicas, “nem o ritmo nem a poesia nem a fantasia dos relatos” da sua avó. 

sexta-feira, 11 de maio de 2018

Os dominicanos, a arte e a modernidade

Exposição e Agenda



Claustro do Convento de São Domingos, em Lisboa, com o interior da igreja ao fundo 
(arquitectos José Fernando Gonçalves e Paulo Providência); 
(foto © Francisco Marujo)
as fotos deste texto são de peças que podem ser vistas na exposição

Será um momento irrepetível: cinco nomes da arquitectura, que já deixaram marcas importantes na arquitecura portuguesa e, em especial, em obras encomendadas pela Ordem dos Pregadores (Dominicanos) estarão este sábado, dia 12, a partir das 16h, num debate com o título Diálogos com a Modernidade. São eles Diogo Lino Pimentel, autor da Capela do Seminário do Olival (Aldeia Nova, Ourém, 1964-67), Luiz Cunha, que desenhou o Convento de Nossa Senhora do Rosário (Fátima, 1962-65), José Fernando Gonçalves e Paulo Providência, autores do Convento de São Domingos (Lisboa) e João de Almeida, que trabalhou com o padre dominicano francês Marie-Alain Couturier (1897-1954), responsável da revista L’Art Sacré, símbolo da renovação artística em França. A conversa, que terei o gosto de moderar, terá ainda a participação de frei Bento Domingues, que tem acompanhado os movimentos de renovação da arquitectura e da arte religiosa desde a segunda metade do século XX. Diogo Pimentel, Luiz Cunha e João de Almeida integraram também o Movimento de Renovação da Arte Religiosa (MRAR), que teve uma importância decisiva nas mudanças ocorridas em Portugal, neste âmbito, nas décadas de 1950-70. 
O debate é uma das actividades paralelas à exposição Dominicanos – Arte e arquitectura portuguesa; Diálogos com a modernidade, patente no Convento de São Domingos (Lisboa), até 10 de Junho. Mas a exposição, além de mostrar peças de arte, desenhos e maquetes, faz do próprio convento um dos seus objectos, como se diz nesta reportagem do Público (sobre o convento e a sua arquitectura, publiquei no livro Vidas de Deus na Terra dos Homens, ed. Círculo de Leitores, 1999, um texto que pode ser lido aqui).
Organizada pelo Centro de Estudos de História Religiosa, da Universidade Católica Portuguesa (CEHR-UCP), e pelo Instituto São Tomás de Aquino, da Província Portuguesa da Ordem dos Pregadores, a exposição tem curadoria pelos arquitectos João Alves da Cunha (CEHR-UCP), João Luís Marques (CEAU-Faculdade de Arquitectura da Universidade do Porto), Paulo Miranda (ISCTE-IUL) e Pedro Castro Cruz. Esta exposição insere-se ainda no programa das comemorações dos 800 anos da Ordem dos Pregadores, que em Portugal incluiu a organização de três jornadas de estudo, das quais resultou já um livro de actas. 
(foto acima, à direita: São Domingos, de José Grave, escultura do Convento dominicano de Fátima. 
Foto © Francisco Marujo) 


Um percurso agitado

Na apresentação da exposição, pode ler-se o seguinte texto: 

No século XX, a arte e a arquitetura religiosa conheceram um percurso agitado como nenhum outro na sua já longa história. Num tempo em que a modernidade desafiou as respostas conservadoras, reivindicando o seu lugar na história e na vida da Igreja, a Ordem de São Domingos participou ativamente neste processo, tendo a sua ação dado origem a algumas das mais emblemáticas obras da história da arte religiosa moderna.

quarta-feira, 9 de maio de 2018

Mudanças no episcopado: qual a missão de um bispo?



Como um pastor, ele apascenta o seu rebanho 
(ilustração de Berna  Bernadette Lopez, reproduzida daqui)


O padre António Luciano dos Santos Costa, 66 anos, foi nomeado bispo de Viseu na quinta-feira passada, dia 2, substituindo assim o actual titular, D. Ilídio Leandro. O novo bispo, que será ordenado 17 de Junho e tomará posse da diocese em Julho, já foi enfermeiro antes de ser padre.
Essa experiência anterior leva António Luciano Costa a afirmar que a missão da Igreja Católica no mundo deve ser antes de mais “sinal de salvação junto dos mais frágeis, dos doentes, dos débeis, de todos os que hoje precisam de ajuda”, numa atenção muito grande à “saúde integral das pessoas”
A nomeação do novo bispo de Viseu surge num momento em que ocorrem várias mudanças no episcopado português. Desde Novembro, José Traquina é o novo bispo de Santarém e, em Março, Manuel Linda foi nomeado para novo titular da diocese do Porto, cargo de que tomou posse a 15 de Abril – resolvendo, neste caso, a substituição de D. António Francisco dos Santos, que morreu em Setembro, depois de ter marcado indelevelmente a sua passagem pela diocese (como já antes por Aveiro). 

Sustentação, governo, solidariedade e trabalho

No caso do Porto, o novo bispo, Manuel Linda, tem pela frente problemas vários na estrutura da diocese. Nas suas primeiras declarações, falou de temas como a sustentação do clero, a homossexualidade ou a dinâmica sinodal enquanto “capacidade de ouvir as estruturas e as pessoas”; da necessidade de os padres estarem “nas ruas”, onde vivem as pessoas; e do caminho “equilibrado” que Braga escolheu para a aplicação dos critérios sugeridos pelo Papa na exortação Amoris Laetitia, sobre a família; e ainda perguntava sobre a razão de algumas pessoas se deixarem cativar pelas missas em latim, dizendo que talvez os padres e bispos se tenham de penitenciare referiu-se ainda à valorização do diaconado feminino. 

No momento da despedida, o até agora bispo de Viseu, Ilídio Leandro, falava, em entrevista à TSF, das exigências ao poder político, do uso do preservativo (“o aborto nunca, mas o uso do preservativo pode ser equilibrador duma relação a dois”) e acerca dos católicos recasados, dos quais diz que “a Igreja está mandatada para não deixar perder as pessoas”. 
Ilídio Leandro diz que procurou, nos 12 anos como bispo de Viseu, governar “em comunhão com as pessoas”. E, sobre o governo do país, diz que não o afecta “ser de esquerda ou de direita, desde que os direitos humanos das pessoas, sobretudo das que mais precisam, sejam salvaguardados” e que os políticos olhem para “os problemas das pessoas e, concretamente, do interior”. 
Ainda traumatizado pela devastação dos incêndios que mataram 19 pessoas na sua diocese, enaltece, entretanto, a generosidade de muitas pessoas e o trabalho da Cáritas.

segunda-feira, 7 de maio de 2018

Novos sinais dos tempos – que fazer?


Agenda

Novos sinais dos tempos – que fazer? é o título genérico do ciclo das Conferências de Maio promovidas pelo Centro de Reflexão Cristã (CRC), de Lisboa. Desordem mundial, refugiados, guerra e paz, alterações climáticas, mulheres e minorias são alguns dos ângulos previstos para o ciclo.
Depois do primeiro debate, acerca da nova desordem mundial, refugiados e luta pela paz, que decorreu na semana passada, o próximo realiza-se já nesta próxima quarta-feira, com o tema As alterações climáticas e o cuidar da casa comum. Contará com a intervenção de Manuela Silva, responsável da rede Cuidar da Casa Comum e economista, e de Paula Alves, presidente da Associação Fazedores da Mudança e coordenadora da Campanha de Mobilização Nacional para Portugal a Cuidar da Casa Comum, a acontecer em 2019.
Na próxima semana, dia 16 (os debates são sempre às quartas-feiras), o tema será Como as mulheres e as minorias estão a mudar o mundo? Intervêm Maria Augusta Babo (professora de Ciências de Comunicação na Universidade Nova de Lisboa e vencedora do recente concurso de ideias “Vamos Mudar o Mundo”), Romualda Fernandes (Alto Comissariado Para as Migrações) e Guilherme d’Oliveira Martins (administrador da Fundação Gulbenkian).
Finalmente, o último debate, a 23, será sobre A Igreja em Portugal e a resposta aos novos sinais dos tempos. Nele participam o actual bispo de Santarém, D. José Traquina, a professora universitária de Linguística, Helena Topa Valentim, e o presidente do CRC, José Leitão.
Os debates decorrem sempre a partir das 18h30, no Centro Nacional de Cultura (Largo do Picadeiro, 10, próximo da estação de metro Baixa-Chiado). A entrada é livre.

quinta-feira, 3 de maio de 2018

Traduções da Bíblia: sentimentos, experiências, chaves e uma “incrível fonte de imagens”


Babel, ou a narrativa de uma loucura totalitária
ilustração de Serge Bloch (texto de Frédéric Boyer), 
em Bible - Les récits fondateurs (ed. Bayard)

Na passada segunda-feira, decorreu em Lisboa uma reunião da Associação Bíblica Portuguesa (ABP) que, entre outras coisas, fez o ponto de situação da nova tradução da Bíblia, que está a ser preparada a pedido da Conferência Episcopal Portuguesa. Esta tradução terá a colaboração de biblistas portugueses e lusófonos, como se descreve nesta notícia. 
Em entrevista a Ângela Roque, na Rádio Renascença, o presidente da ABP, padre Mário Sousa, falou das novas perspectivas sobre esta tradução e as diferenças que se poderão vir a encontrar, em relação a anteriores trabalhos – nomeadamente, à tradução que Frederico Lourenço tem vindo a publicar, em vários volumes, desde 2016 (ed. Quetzal). A entrevista pode ser lida aqui
A propósito precisamente da tradução de Frederico Lourenço, publiquei no número do Inverno 2017 da revista Ler dois textos que a seguir se reproduzem. 


AS CHAVES DE LOURENÇO PARA ABRIR A BÍBLIA

Frederico Lourenço anda às voltas com a Bíblia e assim continuará por mais dois anos. Ganha o texto bíblico, mas também os leitores: de uma vez só, ficam com uma nova tradução da Bíblia, e um precioso conjunto de chaves de leitura sobre o contexto histórico, autores, processos de composição do texto, linguística ou personagens bíblicas. 

Uma das características que se destaca do trabalho de Frederico Lourenço com a tradução da Bíblia – cujo terceiro volume, contendo os livros proféticos do Antigo Testamento, foi publicado em Outubro passado – é a do corpusjá constituído pelas diferentes introduções (e pelas notas, que complementam muita da informação). Além da tradução propriamente dita, Frederico Lourenço acaba por realizar um segundo trabalho, de grande qualidade, com as introduções e as notas que escreve e constituem já uma importante porta de entrada na Bíblia e nos seus livros. 
Quem queira ter o mínimo de informação sobre traduções do texto bíblico, estado dos debates e os diferentes argumentos na exegese histórica e contemporânea, autores e composição dos textos, questões linguísticas atinentes à tradução, história e processo de constituição do cânone bíblico, manuscritos e variantes ou objectivo literário dos textos no seu contexto histórico, entre outros temas, tem aqui um importante guia de leitura. Como também pode ficar a conhecer melhor figuras importantes da narrativa bíblica ou ainda perceber que cada um dos textos da Bíblia muitas vezes não tem um autor único – por exemplo, Mateus, Marcos, Lucas ou João – mas muitos (ou, pelo menos, autores anónimos). 

segunda-feira, 30 de abril de 2018

Impertinências e permanências


Na sua crónica deste Domingo, no Público, frei Bento Domingues escreve sobre A impertinência da evangelização:

Não podemos esquecer a impertinência do Evangelho de Jesus Cristo. Se tivesse sido mais acomodado podia ter tido uma carreira brilhante. O diabo do poder de dominação económica, política e religiosa bem o tentou e o Nazareno não tinha o fascínio de João Baptista pela austeridade. Ele gostava da vida. Tinha o defeito de não suportar ver uns à mesa e outros à porta; uns como povo de Deus e outros não se sabe de quem; uns classificados, à partida, como santos e outros como pecadores; uns privilegiados porque eram homens e outras marginalizadas porque eram mulheres.
Tinha a impertinência de gostar da vida para todos, desenvolvendo as potencialidades humanas e os talentos, sem discutir se estavam bem ou mal distribuídos. Tinha ainda um outro defeito: detestava a ganância e o carreirismo. Os discípulos que escolheu andavam sempre a perguntar-lhe o que ganhavam na sua companhia e o lugar que lhes estava destinado. Um dia teve de pôr tudo em pratos limpos, mas sem grande sucesso.
(O texto pode ser lido aqui na íntegra)

Comentando os textos da liturgia católica do mesmo Domingo, Vítor Gonçalves escreve sobre Permanecer:

“Estar ligado” ou “estar conectado”: poderiam ser estas palavras actuais a tradução do convite de Jesus, no evangelho da videira e dos ramos? As novas tecnologias, com as suas luzes e sombras, e a possibilidade de ligação ao mundo na ponta dos dedos exprimirão a simbologia daquela imagem: “Eu sou a videira e vós os ramos!”? Não repararam já como o telemóvel parece um prolongamento da mão para tantas pessoas com que nos cruzamos?
(O texto pode ser lido aqui na íntegrailustração de Bernadette Lopez, Berna, reproduzida daqui)